Sapateado Americano

Na Irlanda, no século V, os camponeses que usavam sapatos com solado de madeira para aquecer os pés, começaram a brincar com os sons que esses sapatos faziam. Criavam diversos ritmos, originando uma dança conhecida como Irish Jig.
O Irish Jig exigia de seus dançarinos um rápido e complexo trabalho dos pés, com o braço próximo ao tronco.
Séculos mais tarde, na Inglaterra, durante a Revolução Industrial, os operários usavam sapatos de madeira. Nos intervalos de trabalho, estes operários desafiavam uns aos outros com os sons produzidos por aquele sapato, criando uma nova dança chamada de Lancashire Clog. Mais tarde estes tamancos foram substituídos por solados de couso com moedas de cobre fixadas no salo, para conseguir ganhar e impressionar mais no desafio produzindo maior som.
Nos EUA, o Sapateado se deu pelos negros americanos, que se desafiavam com a dança acompanhada por ritmos sofisticados, com muitos movimentos de corpo e não apenas o trabalho dos pés, era uma dança exclusivamente masculina.
Entre os anos de 1909 e 1920, vários estilos musicais e de dança foram criados nos EUA, como o "FOX TROT" e o "TUKEY TROT" e com a chegada dos africanos e europeus na América do Norte, essa fusão de informações se uniu ao estilo musical americano que estava em alta, então começram a surgir os sapatos com chapinhas de metal nas solas e a dança chamada então de SAPATEADO.
O Sapateado Americano se consolidou realmente no início da década de 20, quando foi criado o espetáculo "Shuffle Along", onde 16 bailarinas executavam a mesma coreografia dando origem ao chamado "Chorus Line"e revolucinando os palcos da Broadway.
Desde então, até meados dos anos 40, o sapateado proliferou como uma febre nos EUA, embora nas décadas de 50 e 60, tenha sumido do cenário cultural americano, devido à Segunda Guaerra Mundial.
Na década de 70, o sapateado teve seu grande retorno aos palcos conquistando, anos mais tarde as telas do cinema, dando origem a era dos grandes musicais e tendo como protagonistas os grandes mestres: Fred Astaire, Ginger Rogers, Gene Kelly, Ann Muller, entre outros
Comments